Fecha os Olhos e Escreve #63

large5

Era o último dia do verão, o último dia de esperanças solarengas que alimentam este coração. Era o último dia do verão, mas o primeiro dia da minha vida sem dor, porque tudo o que se perde, faz encontrar-nos. E ao passo que escrevia no meu diário de pensamentos, o qual tinha sobre tudo, ponha as peças do mundo em meu redor. Azul não era jamais azul, mas vermelho escarlate, e o vermelho era verde. Nada era o que era, nada era o que aparentava, nada era o que eu achava. Mas ao mesmo tempo tudo fazia sentido. O sol nascia onde se ponha, e eu acordava onde eu me sentia inteira. A lua surgia ao mesmo tempo que o sol, e eu sentia que a outra metade do meu coração estaria por aí. Só teria de continuar a lutar. E no primeiro dia do outono, eu já teria respostas a perguntas que nunca impus.

signature2

Anúncios

Deixa uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s